Arquivo do blog

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Cárcere dos livres

Hoje, segunda-feira, acordo, mal-humorado, penso se consegui esquecer dos fatos de ontem. Ainda não. Reluto em manter-me no caminho dessa rotina de desprazeres. Insustentável mentiras.
Assim, inicia-se mais um dia. Saio de casa, olho as pessoas em volta ostentando em seus ilustres lares sem modéstia as faces que nos separam. Caminhando nesse rumo sem alvo, apenas uma estrada de pensamentos sem fim.
Chegou, finalmente, a conclusão do dia. Tão esperada esperança de melhoras, sem sucesso.
Parece tão encantador a vida e suas maravilhas, e o que pode nos oferecer, revelar, inesquecer, surpreender, mais ainda, desfrutar, porém tudo soando apenas como vozes a serem perseguidas.
Tão necessário é mantermos nesse círculo de vícios, coberto de um cenário escuro de lamentos reprimidos. Todos parte dessa mesma rotina, incessante, todos vagando no mesmo barco de desembarque desconhecido, apenas esperamos...

4 comentários:

Felipe Lobo disse...

Muito bom! Da poesia a prosa sem muitos problemas, mas também precisa uns ajustes.

Nay disse...

Rotina... não gosto disso.
Se procuras absorver algum conhecimento disso tudo tente se colocar no lugar de outras pessoas... sentir os mesmos sentimentos pobres que elas sentem. Só assim você verá que sua vida é a coisa mais maravilhosa do mundo. E quanto a rotina? Viver uma pessoa por dia o fará sair disso. Tente! Apenas cuidado para não encontrar uma vida tão interessante... você pode querer permanecer nela.

Bom texto.

Jonathas Fragoso disse...

Muito bem escrito, e um estilo muito original! Não há muita clareza nas idéias entaum tudo fica nos "entre-linhas", muito bom mesmo.

Percebe-se um vazio no sentimento, um pessimismo bem familiar , mas os sábios leitores conseguem no verso das linhas vislumbrar a esperanca!!

vlw primo!! continue na producao, vc eh bom!

elisangelapintodaconceicao disse...

Belas e fortes palavras. Percebi um ritmo meio que acelerado e desesperado para chegar a algum lugar,ou melhor, passa-me uma sensação de fuga,de escape do carcere dos livres.