Arquivo do blog

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Mais do mesmo

Movidos pelo instinto sobreviveremos. Ao ver Fernando Pessoa dizendo: "...O sagrado instinto de não ter teorias", penso: Realmente sagrado!
Numa reunião desorganizada de dúvidas se esconde nossa verdadeira essência. Coberta desse betumi de indagações mal feitas sobre as coisas. Aí está o problema. Nada se contempla.
Apenas as respostas acalmam. Mesmo não sendo verdadeiras, e nunca o é!
Ao querer respostas nos afogamos num mar de dúvidas ininterruptas, insatisfatórias sempre.
Livros, ciência, filosofia, política, conhecimento. Tudo parcela dessa construção de muros tortos, sustentado por pilares de degradação iminente.
Triste cidade de vanglórias e derrotas, onde a busca pelo mesmo, nos coloca nessa competição de poucos vencedores. Todos ansiosos de reconhecimentos, ambiciosos acima do sustentável. Nesse jogo sem regras claras, apenas rabiscos em lápis para que cada um permaneça onde está.
E como numa fuga de descontentes, desejamos desesperados, o lugar comum. Aquele canto da cidade onde poucos vão, apesar de a possuirem. O canto dos prazeres sem fim, satisfação plena. No ínfimo pedaço de si que ainda permanece inalterado, mesmo relutante. No lugar que "O homem" inexiste. Sem muitos segredos, o canto onde as coisas são vividas, e só!

6 comentários:

robinson oliveira disse...

gostei de teu blog,culturalmente mto boa,ao contrário do meu,mas enfim,cada com seu estilo.

Overdoose de Pensamento disse...

Interessante como alguém titulado pelo Fernado Pessoa como " o ajudante de guarda-livros" determinou tanta coerência numa espécie de pensamento ciclonado. A sua condição moldou o seu eu, lapidando pra uma atmosfera sem fornteiras. A vontade sagrada de não ter teorias, deixa implícido que era dotado de algo extremamente teórico ao ponto de causar esse tipo incomodação. Algo contraditório do ponto de vista profundamente hermenêutico. Mas, de um valor muito considerável!
Viva Bernado Soares!

elisangelapintodaconceicao disse...

"... Porque aqui você precisa de calar a sua sabedoria para sobreviver. Conhece a diferença entre o sábio branco e o sábio preto? A sabedoria do branco mede-se pela pressa com que responde. Entre nós o mais sábio é aquele que mais demora a responder. Alguns são tão sábios que nunca respondem."
O último voo do flamingo de Mia Couto

Ana disse...

"Numa reunião desorganizada de dúvidas se esconde nossa verdadeira essência."

Adorei essa frase. Acredito muito nela!! Só o questionamento nos leva a verdade, pelo menos a nossa verdade.

Jonathas Fragoso disse...

Muito massa!

gostei mesmo, a busca incessanet pelas respostas geram mais questões, é o páradoxo da razão e do limite da razão, ela é redundante e quanto maistenta se aproximar da verdade mais se distancia dela.

Estava refletindo esses dias sobre o limite da razão, "uma coisa não pode ser e não ser ela ao mesmo tempo", o contrário não cabe na nossa razão e por isso chamamos essa sentença de verdade... incrivel o poder racional de se limitar... as duvidas sempre acabam por gerar menos certezas...

Gavriell disse...

Volte a postar, por favor.